domingo, 20 de dezembro de 2009

Presé-pios - Inauguração da exposição

A "Flor de Pinho" ou uma Cantiga de Amigo.

Os presépios metáforas.

Uns de perto e outro de longe (Salamanca).


Uma exposição aberta a toda a população 24horas por dia.



O filme.



Um momento da apresentação.


Depois da apresentação dos trabalhos pelo autor.

O habitual Porto -de- honra.

A Igreja Matriz também compareceu à cerimónia.


Uma exposição saborosa até 6/01/2010


terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Exposição de Presé-Pios

video











sábado, 10 de outubro de 2009

Nova Exposição - Presé Pios

No próximo dia 19 de Dezembro, pelas 15.30h, será inaugurada a exposição - Presé Pios, no Museu do Ferro & da Região de Moncorvo.
Esta mostra apresenta um conjunto inédito de presépios ecológicos que se desviam da concepção tradicional, quer nos materiais quer na figuração.

domingo, 31 de maio de 2009

" Flora de Brincadeiras" na Biblioteca Municipal de Penafiel


Nesta exposição que estará disponível ao público durante o mês de Junho,terá a oportunidade de apreciar um conjunto de brinquedos e miniaturas realizadas em matéria vegetal. Este espólio (cerca de 200 objectos) está agrupado em diversas temáticas: armas e jogos, culinária infantil, bonecos e representações de animais, utensílios domésticos, alfaias e engenhos agrícolas, meios de locomoção e objectos de adorno.

Na sua peregrinação pelo país, já percorreu os seguintes espaços: Escola Sec. Camilo Castelo Branco - Vila Real; Centro de Informação e Interpretação do Parque Natural do Alvão, em Vila Real e Mondim de Basto; Museu do Brinquedo de Seia, Museu do Ferro & da Região de Moncorvo, Biblioteca Municipal de Vila Nova de Cerveira; Biblioteca Carmen Miranda - Marco de Canaveses; Escola EB23 de Alpendorada; Quercus - Quinta da Gruta - Maia; Biblioteca Municipal de Vila Pouca de Aguiar.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Olhares da Exposição


Esta exposição é muito interessante e todos os objectos estão bem elaborados, apesar da sua simplicidade.
É muito divertido vê-los e descobrir o que são. Alguns deles estão muito engraçados e todos muito originais.
Um dos objectos que mais gostei foi uma avestruz que era feita com um ouriço. Essa peça chamou-me logo a atenção, não só por estar muito bem feita mas por ser também muito engraçada. Achei-lhe muita piada.
Outro objecto de que gostei muito foi a bicicleta de madeira que estava muito original e muito bem elaborada. Estava tudo no seu sítio e nenhuma peça foi esquecida. Chamou-me mais a atenção de entre os brinquedos todos.


Silvino Almeida, 12ºA,nº25

Obrigado, Silvino.

João Costa

Olhares da Exposição

Balança: Decidi falar sobre este objecto, pois quando o observei senti que havia ali algo que transcendia o “fazer por fazer”. Vi que ali existia uma certa ligação a um passado, a um tempo mais remoto, tempo esse que se identifica, certamente, com a infância do autor. Antigamente, as balanças nada tinham que ver com as actuais (digitais, electrónicas, muito fáceis de utilizar). As balanças utilizadas pelos nossos antepassados eram um pouco mais simples, e que exigiam um maior esforço de percepção, e não traduziam exactamente a realidade. Este tipo de balanças permitia equilibrar dois objectos, sendo que, normalmente, num dos lados da balança estava contido um peso (o peso que se desejava obter) e no outro lado da balança seria colocada a quantidade certa até se obter um equilíbrio, de modo a que fosse possível ter uma percepção mais ou menos exacta daquilo que se havia pesado. Talvez eu não tenha escolhido este objecto pelo facto de me identificar com ele, porque isso não seria verdade, visto que, desde que me lembro, nunca me foi necessário utilizar uma balança tão antepassada, tão pouco evoluída, quando comparada com as balanças que tenho actualmente à minha disposição. No entanto, acho uma certa graça, uma certa piada, a este objecto. Talvez porque me traduz a ideia de equilíbrio e de estabilidade, que são algumas das características que aprecio bastante, seja em que aspecto for.

Boneca: Identifiquei-me muito com este objecto e achei muito interessante a forma como foi feita esta boneca. Foram utilizados dos mais variados elementos da natureza, particularmente o vestido é feito com o revestimento das espigas de milho, o que me fascinou bastante, e me levou a pensar que a boneca era talvez um dos objectos dos quais deveria falar, e explorar. Na minha infância, sempre fui muito ligada ao “brincar às bonecas” ou como dizem as crianças “de hoje” mais frequentemente, “brincar às barbies”. Esta boneca faz-me recordar um pouco esses tempos, em que deixava tudo, desde a atenção dos meus pais, aos desenhos animados na televisão, para ir brincar às bonecas com as amigas. Era fascinante a forma como lidávamos com as bonecas. Dávamos-lhe vida, incutíamos nelas uma personagem só nossa, criada e imaginada unicamente por nós, que traduzia, naturalmente, os nossos sonhos a realizar no futuro (ter uma casa cor de rosa, recheada de roupinhas e sapatinhos). Embora esses tempos fossem demasiado fantasiados, e demasiado fascinantes para serem verdade, naquela altura era impossível imaginar que a vida seria de outra forma, que passasse para além do mundo cor-de-rosa que construíamos cada vez que dávamos vida a mais uma boneca. Infelizmente, com o tempo vamos crescendo, assumindo papéis mais complexos e que exigem de nós uma maior responsabilidade e percebemos, por fim, que aqueles tempos fantasiados e mágicos eram apenas fruto da nossa imaginação e do nosso espírito de criatividade. Percebemos que o mundo é muito mais cinzento do que cor-de-rosa, e que nem sempre podemos fazer algo que contrarie esse facto. Pois como diz o velho ditado, “contra factos, não há argumentos”. E de facto não há argumento algum que contrarie essa realidade, a não ser que, dando asas à apologia de Fernando Pessoa, a solução seja o refúgio no sonho e na infância, em que tudo parecia ser perfeito, e em que os problemas eram algo alheio à nossa vida. Talvez a realidade seja dura demais, e por vezes é necessário encontrarmos um certo equilíbrio, algo que nos faça, por escassos momentos, esquecer a nossa verdadeira existência, o nosso mundo exterior, e mergulhar num mundo perfeito, num mundo só nosso, mundo esse em que as bonecas, as fantasias, a natureza e todas essas vivências mágicas sejam tudo o que existe. E nada, nada pode tirar isso, nada nos pode impedir de sonhar, nem que seja uma só vez na vida.

Sofia Raquel Guedes, 12ºA, nº26

Sofia, Obrigado.
João Costa

Olhares da Exposição

Através do convite feito pela professora de Português visitei a exposição “Flora de Brincadeiras” na biblioteca municipal de Vila Pouca de Aguiar.
Com esta visita percebi que se podem fazer coisas bastante engraçadas com objectos que recolhemos na natureza fazendo assim uma obra de arte. Ao visualizar cada uma das obras fiquei desde logo sem saber qual iria escolher uma vez que todas elas tinham sido elaboradas de uma forma original e tinham um significado lógico.
Os objectos visualizados diziam respeito a vários utensílios de cozinha, meios de transporte, alimentos, objectos que visualizamos todos os dias e dos quais não reflectimos.
Através desta visita foi possível reflectir sobre a evolução de todos aqueles objectos, bem como permitiu exercer um pensamento relativo à importância de cada um daqueles objectos, tanto no nosso dia-a-dia, bem como em épocas passadas.
Deste modo a visita tornou-se interessante por todos os motivos anteriormente apresentados, que nos permitiram voar na nossa imaginação e perceber o que todos aqueles objectos significavam para nós.
Ao longo da exposição os objectos que mais me chamaram à atenção foram o avião e a balança.
Relativamente ao avião, este objecto chamou-me à atenção pela forma como estava elaborado. Ou seja, encontrava-se de uma forma bastante diferente daquela que normalmente vemos. Este objecto tem uma enorme importância na actualidade, uma vez que nos permite conhecer o mundo e assim tirar conclusões sobre tudo aquilo que vemos. Permite-nos estar mais próximos do céu, sentirmo-nos maiores que todos os outros seres, que se encontram a dimensões bastante pequenas.
Este objecto permite-nos sonhar com outros lugares, permite-nos viajar de uma forma rápida e confortável para qualquer destino que queiramos conhecer. É assim, o concretizador dos nossos sonhos.
Hoje em dia quase todas as pessoas já andaram de avião, no entanto antigamente não era assim. Este objecto sofreu uma grande evolução ao longo dos tempos, e todos os que conseguiram melhorar a acessibilidade a este meio de transporte foram homenageados e reconhecidos por todos.
O sonho do Homem, já desde sempre, foi pertencer a locais que não lhes pertencem, conseguir entrar em todos os ecossistemas e fazer a sua vida como os restantes seres. O homem sempre foi muito ganancioso, quis sempre ser o dono do planeta Terra. Deste modo foram criados os barcos, submarinos e mais recentemente os aviões. Todos estes meios de transporte permitiram ao Homem concretizar os seus desejos de voar ou conseguir estar na água e ver os peixes. Assim este objecto permitiu a todos nós o capricho de que muitos ambicionavam. Serem descobridores de todo o mundo, em todos os meios existentes.
O outro objecto que chamou a minha atenção, por motivos bem diferentes do avião, foi a balança. A balança sempre foi um objecto bastante utilizado, desde os tempos mais remotos. Conseguíamos vê-la nos mercados da antiguidade, em mercearias e na actualidade nas grandes superfícies comerciais, bem como nas nossas casas.
O aspecto das balanças foi alterando ao longo dos tempos, primeiro existiam dois pratos, actualmente existe uma única superfície.
A balança que se encontra na imagem é muito diferente daquelas que vemos na actualidade, que são digitais, e que utilizamos tanto para nos pesarmos como a vários alimentos que utilizamos na cozinha.
Este utensílio chamou-me à atenção na medida em que é bem diferente daqueles que estou habituada a ver.
Tal como aconteceu com o avião também a balança sofreu alterações ao longo dos tempos, tornando-se mais fácil e rápido o seu manuseamento. No entanto dou grande valor aos objectos antigos, uma vez que foi a descoberta e evolução destes objectos que nos permitiu, nos dias de hoje, utilizar estes utensílios de uma forma mais fácil. Certamente que com o passar do tempo estes objectos que utilizamos no nosso dia-a-dia serão estranhos para novas gerações, mas é essencial percebermos que a evolução faz parte da vida e que todos os objectos têm importância num determinado período.
Assim percebi que um dos objectivos desta actividade poderia conter o factor da evolução, uma vez que os objectos antigos são desvalorizados quando novos são descobertos e utilizados. No entanto é necessário manter todos estes objectos vivos na nossa memória.

Maria Manuel Costa, 12ºA,nº19

Obrigado, Maria Manuel.

João Costa

Actividades Culturais


Nos passados dias 3 a 13 de Dezembro esteve exposta na biblioteca municipal de Vila Pouca de Aguiar uma exposição intitulada por: "Flora de Brincadeiras" de João Pinto. Esta exposição consistia em demonstrar que é possível criar muitas coisas engraçadas e bastante interessantes com simples peças encontradas na natureza.
Dois objectos que chamaram a minha atenção foram uma bicicleta e um fumeiro, porque é muito interessante a maneira de como conseguem fazer uma bicicleta com uns simples paus encontrados por exemplo num simples passeio pela natureza. E também é bastante interessante a maneira de como pegando em pequenas pedras que se encontram pela natureza fora, conseguem fazer um fumeiro e depois aproveitando a agulheta deixada pelos pinheiros que muitas vezes se encontra no chão pela natureza fora, consegue dar-lhe como uma vida e deixam de ser um simples “lixo” em que toda a gente trepa e passam a desempenhar uma outra função depois da desempenhada no pinheiro. Deixam de ser uma simples agulheta que se encontra no chão e onde toda a gente trepa e passam a ser um símbolo, passam a simbolizar alheiras, presuntos, e todas essas coisas que se encontram penduradas no fumeiro a secar.
Desta exposição não foram apenas estes pequenos objectos que despertaram a minha atenção, também houvera outros objectos nos quais também achei muito interessantes e que também despertaram e muito a minha curiosidade. Com por exemplo também havia na exposição pequenas cadeiras, nas quais também despertaram a minha atenção na forma como são construídas, também como na bicicleta aproveitam pequenos paus. Outros objectos que também despertaram a minha atenção foram os assobios, eu que já tinha uma vaga ideia de que era possível construir pequenos assobios com simples objectos encontrados na natureza, mas mesmo assim conseguiu na mesma despertar a minha atenção, visto que tenho uma enorme curiosidade em saber a forma de com são construídos.
Toda esta exposição fez-me pensar no campo e principalmente na natureza, e talvez podemos ver esta exposição como uma forma de nos querer expressar uma coisa que é o quão importante é a natureza e que devemos cada vez mais preservá-la, pois a natureza é muito importante para a nossa sobrevivência, mas não só, ela também nos pode oferecer pequenas coisas que depois de trabalhadas ficam grandes, não em tamanho mas em beleza e em sentimento. Isto foi na minha opinião aquilo que esta exposição queria demonstrar.


Foto da bicicleta que despertou a minha atenção.


Foto do fumeiro que despertou a minha atenção.

Joel Magalhães,12ºA,nº13
Joel,
obrigado.
João Costa

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

O Fumeiro e o Pião




O objecto que escolhi para descrever foi o fumeiro. Fumeiro é o nome dado a carnes geralmente de porco, expostas ao fumo para conservação das mesmas. Escolhi o fumeiro regional porque é característico da gastronomia transmontana. Assim que vi este objecto lembrei-me da minha região que é muito conhecida pelo fumeiro. Zonas como Chaves, Montalegre, Vinhais e Barroso destacam-se pela prática de esta actividade sendo relevante à economia local. Realiza-se em Portugal diversas feiras do fumeiro, sendo pela sua relevância de assinalar a do conselho de vinhais.
A organização da Feira do Fumeiro de Vinhais é uma iniciativa importante para promover a salsicharia tradicional transmontana, para além de permitir aos produtores artesanais a venda do seu fumeiro particular.
Lembro-me também de ser criança e ver os meus avós a fazerem enchidos para consumo da casa.

O Pião

Escolhi o pião porque é um objecto que me faz recordar a minha infância. Lembro-me de quando andava na pré e no Primeiro Ciclo, ele era um dos objectos com que brincava muito. O pião é um tipo de brinquedo que consiste em puxar uma corda enrolada a um objecto afunilado, geralmente de madeira e com uma ponta de ferro, colocando-o em rotação no solo, mantendo-se erguido.

Luzia Magalhães, nº16, 12ºA

Obrigado, Luzia.
João Costa

domingo, 11 de janeiro de 2009

Colar


Para aquecer as mãos, neste dia de gelo, fiz hoje este colar com os caroços e sementes que vou juntando. Assim resultou este adorno com sementes de anona, glicínia e caroços de pêssego.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Com agrado

De 3 a 13 de Dezembro ocorreu, em Vila Pouca de Aguiar, uma exposição intitulada “Flora de Brincadeiras” de João Pinto, a qual visa dar a conhecer aos seus visitantes o que se pode fazer com tão pouco e simples material e tanta paciência e dedicação.
No âmbito da disciplina de Português B, foi-nos solicitada a presença nesta exposição e pedida a escolha, à vontade, de dois objectos sobre os quais teríamos de fazer, posteriormente, um pequeno texto de reflexão deste e da sua escolha.


A Abelhinha


Escolhi este objecto pois achei-o engraçado e fora do normal. A Abelhinha é constituída por um pequeno pau ao qual está ligado, por um fio, um cilindro sem a base inferior. A parte engraçada deste objecto é que, ao rodarmos o pau, o cilindro vai produzir um som semelhante ao de uma abelha.
Este objecto é muito engraçado pois podemos, a partir de outros objectos mais simples, realizar um som tão maravilhoso como o de uma abelha. É fantástico descobrir como uma pitada de paciência e imaginação podem fazer.


Carros de maçaroca



Escolhi este objecto pois achei-o muito engraçado e original. Estes carros, feitos com a maçaroca do milho, remetem-nos para o tempo em que não existiam brinquedos como os de agora e as crianças tinham de fazer manualmente os seus próprios brinquedos. E com um objecto tão simples como o milho é-se capaz de realizar algo tão conhecido como um carro.

Catarina Pinto, 12.º A, n.º 6
Escola EB 2 , 3 /Secundária de Vila Pouca de Aguiar
* Muito agradecido, Catarina.
João Costa

Com agrado


No passado dia 12 de Dezembro fui visitar a exposição “Flora de Brincadeiras”.
Esta exposição é, de certa forma, uma viajem ao passado, com todos os seus objectos e brinquedos como nada de electrónico, que nos fazem recordar um passado (não muito distante), em que as brincadeiras estavam muito mais relacionadas com a Natureza do que agora.
Dos objectos que lá estavam houve um que me atraiu particularmente, um “telefone” de cana, constituído por uma espécie de dois “copinhos” ligados por um fio. A razão pela qual me agradou tanto este objecto foi pelo facto de eu próprio, em criança, estar constantemente a fazer “telefones” destes com a minha irmã mais velha. Na minha inocência, pensava mesmo que eles funcionavam, mas hoje percebo que a conseguia ouvi-la por ela estar demasiado perto de mim!
Actualmente, penso que estes “telefones” já não atraem muito as crianças… É um bocado estranho que, passados apenas cerca de dez anos, as brincadeiras das crianças estejam tão modificadas. Hoje em dia as crianças preferem brincar com outras coisas, mais complexas, electrónicas. Perdeu-se a vontade de construir os próprios brinquedos, de dar asas à imaginação e de fazer o que se quisesse com materiais oferecidos pela Natureza.
Contudo, apesar de actualmente os brinquedos serem muito mais evoluídos do que eram antes, duvido muito que as crianças de agora se divirtam mais do que se divertiam as crianças do passado, com estes brinquedos que encontramos na “Flora de Brincadeiras”.
José Pedro Matias, 12ºA, nº12
Escola EB 2 , 3 /Secundária de Vila Pouca de Aguiar
* Com muito agrado, José Pedro.
João Costa

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Ecos da Exposição



No passado dia 12 de Dezembro, visitei na Biblioteca Municipal uma exposição intitulada “Flora de Brincadeiras”. Esta exposição era formada por vários objectos, na maioria brinquedos para crianças, construídos a partir de objectos sem valor.
Aprecio muito o trabalho deste tipo de artistas, que transformam algo sem valor numa perfeita obra de arte com grande valor.
Dos objectos que visualizei escolhi dois para descrever os sentimentos que tive aquando a minha visita por toda a exposição. Os objectos escolhidos foram a bicicleta da primeira figura e ainda o avião da segunda figura.
Em primeiro lugar a bicicleta fez-me lembrar os meus tempos de infância que passava a andar de bicicleta com os meus amigos e irmão, coisa com que ocupava as tardes das enormes férias de Verão. Desde pequeno sempre fui fascinado pelo desporto e por isso sempre que podia trocava uma tarde de casa por uma tarde de passeio pelas ruas da vila juntamente com os colegas e por vezes sozinho.
O segundo objecto é um avião, um meio de transporte que desde sempre me fascinou, pela sua capacidade de transformar viagens grandes e demoradas em curtas e agradáveis. No último Verão tive a minha segunda experiência em andar neste tipo de meio de transporte com a ida com a família para Palma de Maiorca. A viagem, a paisagem, a adrenalina de levantar voo e aterrar, tudo me fascinou. Espero ter ainda nesta vida o prazer de poder vir a andar novamente de avião.

João Carlos Gonçalves, 12ºA, nº12
Escola EB 2 , 3 /Secundária de Vila Pouca de Aguiar

* Muito agradecido, João.

Olhares da Exposição

Recentemente a biblioteca municipal de Vila Pouca de Aguiar acolheu uma exposição que consistia numa apresentação de objectos elaborados à mão, característicos da nossa região, como por exemplo utensílios da agricultura. O autor destes maravilhosos objectos é João Pinto, e para mim é alvo de surpresa e admiração, pois penso que os objecto que observei são muito engenhosos e difíceis de elaborar.
Dos vários e belos objectos observados, destaco um carro singular e uma família de avestruzes. Apreciei muito todos os objectos, contudo o carro singular transmitiu-me um pouco de dinâmica e velocidade, fazendo com que eu me relembrasse dos momentos de infância em que brincava com os pequenos carros. Também o facto de gostar de automóveis rápidos, como este parece ser foi uma razão de ter gostado deste objecto.
Outro dos objectos que gostei foi a imitação de uma família de avestruzes, pois retrata a união que está sempre presente na família de todos os animais, neste caso as avestruzes. Sendo uma ave, a avestruz é um animal livre, embora seja alvo de cativeiro. Contudo não deixou de ser um objecto que transmite a liberdade, a união, a protecção e a força existente nas famílias animais.

Daniel Monteiro Alves, N.º7, 12.ºA
Agrupamento Vertical de Escolas de Vila Pouca de Aguiar Sul
Escola E.B. 2,3/ Secundária de Vila Pouca de Aguiar
2008/2009
* Obrigado, Daniel
João Costa